startrek

Resenha: Star Trek – Sem Fronteiras

Sem spoilers, porque isso não é Espilotríssimo.

Chegamos ao terceiro filme da franquia Star Trek que fora ressuscitada para o cinema alguns anos atrás, com um tom menos adulto nessa nova geração e mais voltado as explorações espaciais, J. J. Abrams trouxe a saga de volta de forma primorosa e respeitosa, apesar de não ser nenhum tipo de reebot ou algo do gênero, mas uma franquia nova e fiel aos personagens e ao universo de Star Trek. No terceiro filme já não temos J.J. Abrams na direção, o que é bom, pois o filme acaba tornando-se um pouco mais inovador e com menos clichês de direção de J.J., logo o encontramos na produção, ficando a direção para o diretor de Velozes e Furiosos 5 e 6, Justin Lin e o roteiro com Simon Pegg, o Scotty no filme com parceria de Doug Jung.

Começar pelo roteiro é o mais ideal tratando-se desse filme, principalmente pela peculiaridade por ter um dos seus coadjuvantes o tendo escrito, o engraçado é que não tem como ele não ter puxado um pouco de mais atenção para o seu personagem de uma forma sutil e britânica, apesar que desde o primeiro filme seu personagem é ótimo, e com mais falas então? Devemos dizer que Simmon além de dar mais destaque ao seu personagem trouxe para nós coadjuvantes muito mais presentes e participativos durante a trama inteira do filme que é bem fechada e coesa. Toda essa visão de personagens secundários mostrando sua capacidade, fez com que ficássemos mais próximos deles, suas habilidades e até mesmo como alguma duplas improváveis são bem dinâmicas, como Spock e Magro. Todo o roteiro consegue fechar a trama principal, dando conclusões coerentes e muito boas para os personagens e para a história. Sim, ocorreram buracos no roteiro, perguntas que podemos fazer depois de ter apreciado 2h de muita ação no espaço, são perguntas bastante pontuais sobre motivações e o que pode ter acontecido com o artefato que causou grande problema na trama. O que não faltou nesse filme foi a forma como a execução do roteiro nas cenas de ação e tensão me deixaram nervosa, junto da galera toda do cinema também, ficávamos gesticulando, suspirando e até gritando alguns “ai meu deus”, devido aos absurdos ou o tamanho do perigo que os personagens estavam passando; desde o início do filme que já é hilário, mas também nos deixa meio agoniados, depois na na missão de resgate que falha miseravelmente devido a derrota total no meio do espaço, até o restante de todo filme com ação em terra-firme em um planeta desconhecido.

Chris Pine se mostra como um Kirk cansado e vazio depois de 3 anos em sua jornada pelo universo, ele faz bem novamente seu papel como líder cansado, logo então depois extremamente motivado para conseguir alcançar seu objetivo. Dessa vez, quebrando o bromance com Spock, Kirk é acompanhado por Checkov, interpretado pelo falecido Anton Yelchin que fez seu personagem continuar sendo um fofo e extremamente cooperativo com os planos, além de inteligente. Spock e Magro, interpretados respectivamente por Zachary Quinto e Karl Urban, conseguiram fazer uma dupla improvável ser muito divertida e bastante eficiente, conseguindo até trazer lados diferentes dos personagens. Sofia Boutella praticamente estrelando seu segundo filme, fez a alienígena Jaylah deixando a presença do seu personagem bastante forte e fazendo também uma dupla bastante divertido de engenheiros com o Scotty que é o Simon Pegg.  Krall, Idris Elba, conseguiu por o tom certo no vilão, fazendo com que o mesmo tivesse bastante impacto em suas cenas.

A produção fora feita com cuidado, fotografia e atmosfera do filme muito bem cuidadas, junto de sua trilha sonora que fora bastante impactante em algumas cenas com sequências de ação. Não assisti em 3D, o que já sei que deve ter sido ótimo para mim, já que o filme não feito com tecnologia 3D, mas sim convertido em um. A maquiagem estava incrível, como também o character design dos personagens novos, dava para ver de longe as referências nos jogos de cyberpunk do mesmo gênero do filme .

O filme só não foi  perfeito por causa dos buracos que me pegaram depois de ter pensando um pouco sobre após a sessão, buracos que me deixaram incomodada, mas que não interfere na hora de assistir o filme. Apesar de tudo ter ficando bastante harmonioso, queria um vilão mais aprofundado e com a sua motivação melhor explorada, sendo esse um dos buracos que mais me incomodou.  O terceiro filme foi uma mistura do primeiro e do segundo, trazendo vários pontos positivos e mesmo com os negativos, conseguiu ser um dos filmes de ação que mais me agradou em 2016.

Nota 8/10

 

star-trek-beyond-poster-internationalStar Trek: Beyond
Lançamento: 1 de Setembro de 2016
Duração: 2h03
Direção: Justin Lin
Elenco: Chris Pine, Zachary Quinto, Idris Elba, Zoe Saldana, Sofia Boutella, Simon Pegg, Karl Urban, Anton Yelchin, John Cho.
Sinopse: Desta vez, Kirk, Spock e a tripulação da Enterprise encontram-se no terceiro ano da missão de exploração do espaço prevista para durar cinco anos. Eles recebem um pedido de socorro que acaba os ligando ao maléfico vilão Krall, um insurgente anti-Frota Estelar interessado em um objeto de posse do líder da nave. A Enterprise é atacada, e eles acabam em um planeta desconhecido, onde o grupo acaba sendo dividido em duplas.

Carol

Designer, character designer, costume designer, ama comida, taurina, gamer, cinéfila, bookaholic, chata.

Comente com Facebook!

22 comentários em “Resenha: Star Trek – Sem Fronteiras

  1. Oi Carol, eu sou uma zero à esquerda em relação a Star Trek: não entendo nada, não sei quem é quem, perdidona mesmo. Hahaha! Não me interesso muito para falar a verdade. Acho que eu teria que começar com algum bem bacana para dar o pontapé inicial, depois me diz qual é “a boa”. Beijo, beijo :*

  2. Clayci pulou tudo porque ainda não assistiu..
    Se sente culpada por deixar esse filme passar, mas acredita que dará a mesma nota que vc deu.. pois conhece seu bom gosto

    ahuiHIUHIUAHuiAHuiHaiu
    PRECISO VER ESSE FILME

  3. Eu já estava envergonhada aqui por conhecer a história apenas superficialmente, mas passei os olhos rapidinho nos outros comentários e vi que não sou só eu, hahaha. Acontece que eu sou pior, porque sempre tive vontade de conhecer, mas nunca fui atrás. Falta aquele amigo que chega com as coisas em casa pra ver naquele momento mesmo, sabe? Nem meu namorado nunca fez isso, e ele já foi ver esse filme com os amigos. :( MAS eu tenho uma listinha de clássicos que estou seguindo e uma hora eu chego lá, haha.
    Beijos!

  4. Eu gosto bastante de Star Trek, e minhas expectativas para este filme continuam alta. Até agora praticamente todo mundo que assistiu gostou, ou seja, fizeram um bom trabalho.
    Não vejo a hora de assistir.
    Beijos

  5. Oi Carol,
    Me sinto muito mal por ainda não conhecer o mundo de Star Trek e nem vi os filmes novos.
    Olha que Bene e agora o Idris, participaram…mas logo darei um jeito nisso haha
    Poxa, tão triste essa história do Anton, na verdade surreal a maneira que ele morreu :(
    Quando li na sua review que o Simon escreveu o roteiro já imaginei que deveria ter partes engraçadas, depois você mencionou. Filmes de ação são sempre bem vindos, adoro o frio na rabiga haha

    P.S.: Obrigada pelo elogio ao layout novo ♥
    Aquele post de adaptações dá um trabalhinho de fazer sim, mas depende da minha preguiça também haha
    Esses filmes de jogos, não entendo muito porque a maioria nunca joguei. Mas estou ansiosa por Assassin’s por causa do Fassbender mesmo haha

    tenha uma ótima quinta.
    Nana – Obsession Valley

  6. Oie Carol =)

    Eu queria tanto ter ido ao cinema assistir esse filme =/
    Mas ficaram me enrolando e eu invés de ir sozinha, acabei deixando os dias passar e agora ele saiu de cartaz (chora).
    Confesso que gosto mais de Star Trek do que de Star Wars embora as duas séries tenham um lugar em meu coração.
    Vou ter que esperar sair no Now para assistir ='(

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias…
    @mydearlibrary

  7. Nunca dei muita bola para star trek, só me interessei em assistir por causa do J.J. Abrams na verdade e achei as histórias muito boas. As cenas de ação são ótimas mesmo. Gostei muito da sua resenha, fiquei animada pra fazer uma maratoninha para acompanhar melhor a história toda.

    bêjo.

  8. Carolzitcha!
    Eu sou muitissimo lerda
    só vi uma partezinha do primeira film por causa do Chris Pine e só queria ver o resto tudo por causa dele e cho que super veria por causa dele mesmo KKK paixão no home!
    naõ sei se os buracos me atrapalhariam – acho que não! só daria maisvontade de ver continuação, né? rsrs
    mas tudo bem, casos da vida <3
    aaaaaaah ra nao falar que nao vi nada, eu comecei a jogar star trek no xbo, ta valendo? rsrsrs
    tag super fofa né? <#
    rsrsrsrsrsrsrsr clichezuda eu mas é nois que gosta de romance e terrores e udo o mais pra ser feliz né? rsrs
    tem umas mas né…. bate uma pri kkkk
    beijocas <3
    Pâm – http://www.interruptedreamer.com

  9. Oi Carol!
    “Star Trek” é uma dessas franquias que a gente sempre ouve falar e mesmo que nunca tenha assistido conhece um pouquinho sobre o assunto, né? Eu, por exemplo, nunca assisti, tenho certa curiosidade, mas claro que conheço o Kirk e o Spock, rsrs.
    Não sabia que o Idris Elba estava no elenco. Ele é ótimo! Deve ter sido mesmo um ótimo vilão.
    Beijos,
    alemdacontracapa.blogspot.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *